Ação preventiva faz esclarecimentos sobre uso de chupetas e mamadeiras

Motivada pela prevalência de quadros de distúrbio articulatório em crianças, a Seção de Fonoaudiologia Infantil, da Secretaria de Saúde de Porto Ferreira, vem intensificado ações para orientação e conscientização junto a profissionais do setor que atuam nas unidades do município.

Tais quadros são comumente causados ou agravados pelas desordens anátomo-fisiológicas e também emocionais decorrentes do uso indiscriminado de chupeta e mamadeira.

Assim, a fonoaudióloga Juliana Esteves Poletti de Mello, responsável técnica do Setor de Fonoaudiologia, vem desde 2015 buscando prevenir os problemas de fala que frequentemente acometem as crianças menores e por vezes perduram até idades mais avançadas, podendo comprometer o processo de alfabetização, trazer prejuízos ortodônticos, nutricionais e até psicológicos.

Deste modo, com foco na necessidade de parceria com os pediatras e com as equipes das Unidades de Saúde, a fonoaudióloga visitou no dia 1º de agosto todas as unidades, além do Caps 2 (Centro de Atenção Psicossocial), onde atualmente ocorrem atendimentos de Psicologia e Terapia Ocupacional para crianças.

Nestas visitas, ela deixou informes e folders, além de propor a capacitação em “Prevenção de problemas de fala, audição, leitura e escrita em crianças pequenas – Orientações sobre chupeta e mamadeira” para as equipes, que se mostraram interessadas e confirmaram a necessidade desta ação, diante do que observam cotidianamente em suas rotinas de trabalho.

Também já foram realizadas parcerias com a Secretaria de Educação, de modo que em 2016 as equipes das creches e escolas de educação infantil (Emeis) da rede municipal receberam capacitação sobre os malefícios do uso prolongado de chupeta e mamadeira e como colaborar na prevenção.

Em 2017, a fonoaudióloga ofereceu palestras para famílias e profissionais de 19 unidades escolares com o mesmo objetivo.

Além disso, todos os anos a fonoaudióloga participa de grupos de gestantes e palestras sobre amamentação, promovidas pelas unidades de saúde. Em 2018, foram realizadas cinco ações nesse sentido.