Centro Municipal de Formação Profissional Irpo Perondi será inaugurado dia 4
Centro Municipal de Formação Profissional Irpo Perondi
Porto Ferreira (SP)

O prefeito Rômulo Rippa anunciou esta semana que o Centro Municipal de Formação Profissional será inaugurado no próximo dia 4 de setembro, às 16 horas, e levará o nome do empresário Irpo Perondi, falecido este ano.

O Centro foi criado pela lei municipal 3.452/2018, aprovada pela Câmara e sancionada pelo prefeito no início do mês. Trata-se de um equipamento público que tem por objetivo a capacitação dos cidadãos em cursos de formação técnica básica, qualificando-os para o mercado de trabalho e preparando colaboradores e/ou empreendedores, reconhecidos por sua excelência profissional. Para isso, haverá parcerias com entidades como o Senac, Senai, Sebrae e Sert (Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho).

A instalação do Centro de Formação será no histórico prédio da antiga descaroçadora de algodão, na avenida Engenheiro Nicolau de Vergueiro Forjaz, onde funcionava o Centro de Treinamento do Senai, ao lado do novo Polo da Univesp.

O CMPF ficará subordinado à Secretaria de Educação, que o dotará de espaço físico, recursos materiais e humanos necessários ao seu funcionamento. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo ficará responsável pela orientação técnica dos programas, cursos, treinamentos, aperfeiçoamentos, especializações e outras ações de formação profissional que serão desenvolvidas.

Os programas deverão priorizar as formações profissionais diagnosticadas como necessidades do mercado de trabalho, potencializando a empregabilidade dos cidadãos formados.

O Centro poderá ainda realizar convênios, parcerias, termos de cooperação e contratos com entidades públicas e privadas, que tenham por objetivo a formação profissional.

“Na era da economia do conhecimento, em que se trata a informação como mercadoria e bem de produção necessários às atividades econômicas, a educação é cada vez mais essencial. Assim, é cada vez mais relevante a formação e qualificação profissional dos trabalhadores, estejam estes empregados ou não, uma vez que as empresas valorizam os mais preparados, com o objetivo de incremento de seu desempenho organizacional, em qualquer ramo de negócio”, destacou o prefeito Rômulo Rippa.

“A formação profissional não deve ser vista como uma obrigação legal, mas sim como um investimento de valor. Ao investir no desenvolvimento das competências técnicas dos cidadãos, colaboramos de forma direta no aumento da empregabilidade de nossos trabalhadores e na melhora significativa de performance de nossas empresas”, completou.

Irpo Perondi

Filho de Perondi Igínio e Iracema Maria Amélia Perondi, Irpo nasceu em Pirassununga, no dia 2 de março de 1925. No mesmo ano, a família se mudou para Porto Ferreira, quando Irpo contava com 3 meses de vida.

Casou-se com Layr Pereira, na Igreja Matriz de Pirassununga, em 21 de julho de 1957. Da união, nasceram os filhos Andréa, Valéria e Pérsio.

Irpo frequentou o Grupo Escolar de Porto Ferreira (Emef Sud Mennucci) e desde a juventude recebeu do pai, notável industrial, os ensinamentos de que o trabalho dignificava o homem. Deste modo, foi classificador de algodão em pluma e caroço e diretor superintendente da Fiação Amélia ao longo de 40 anos.

Nos momentos de lazer jogava futebol e bocha, frequentava os bailes e viajava bastante. Procurava, sempre, expandir as amizades. Contudo, a dedicação ao trabalho era absoluta. Tanto que a empresa da família, por ele dirigida, possuía expressivo quadro de funcionários, sobretudo, mulheres, considerando os trabalhos da fiação.

No caráter social, Irpo foi diretor e presidente do Porto Ferreira Futebol Clube.

Em 1962, atuou na campanha dos telefones automáticos e na mesma época foi eleito por 3 anos contínuos presidente do Centro Municipal de Assistência de Porto Ferreira, hoje Creche Roberto Henrique João.

Irpo participou da política local, eleito vereador e à frente da Mesa da Câmara, como presidente, em 1970. Dentre seus feitos, atualizou o Regimento Interno da Casa de Leis. Também elaborou o projeto para a industrialização da cidade, com a ajuda e companhia do então vereador Flávio da Silva Oliveira.

Conseguiu, junto ao IBGE, a recuperação do território de Porto Ferreira, em 20%.

Em 1971, a convite de Assis Chateaubriand, palestrou em Cruz das Almas (BA) e Recife (PE) sobre o cultivo da cotonicultura herbácea, visando o aumento da produtividade para aquela região.

Em 2015, recebeu da Câmara Municipal o título de Cidadão Ferreirense, pelos relevantes e beneméritos serviços prestados à comunidade ferreirense.

Faleceu no dia 15 de maio de 2018, aos 93 anos de idade, deixando um legado de trabalho e desenvolvimento no município ferreirense.