Polícia Militar age rápido e prende quadrilha que iria roubar empresa de valores da região
Forte armamento e munições dava para fazer uma grande guerra contra força policiais.

Na madrugada de domingo (5), em uma ação que envolveu as Agências de Inteligência e do efetivo territorial das unidades do Comando de Policiamento do Interior (CPI-3), viaturas de Força Tática da Polícia Militar, inclusive de São Carlos, conseguiram frustrar uma possível ação criminosa contra uma empresa de guarda e transporte de valores em Ribeirão Preto. 

A operação realizada pelo serviço de inteligência com o apoio de todas as equipes das Forças Táticas da área do CPI 3, Ribeirão Preto, São Carlos, Barretos, Araraquara e Franca, resultou na prisão de nove integrantes de uma quadrilha super equipada, que estava em uma chácara na rodovia Cândido Portinari e terminou com a apreensão de: cinco fuzis, 38; carregadores de fuzil, três pistolas, 25 munições de calibre 7.62, 639 munições de 5.56, 30 munições de 9 milímetros, 36 munições de 380 e 15 munições de .40, seis rádios de comunicação interna, dois coletes à prova de balas, radiocomunicadores, máscaras, tocas ninja e diversos celulares.

Uma das equipes da Força Tática de Porto Ferreira também apoiou a ação. 

A Polícia Militar apurou que o bando muito bem estruturado faria roubo a bancos ou a empresas de valores na região de Ribeirão Preto.

Na chácara, também foram encontrados três veículos blindados e um caminhão que havia sido roubado, e que seria usado para bloquear rodovias para evitar a perseguição policial. O comando da Polícia Militar informou que a prisão da quadrilha se deu sem qualquer disparo de armas de fogo.

Todos os integrantes do bando foram encaminhados para Central de Flagrantes, onde outro forte esquema policial foi montado para apreensão das armas, munições e marginais que foram encaminhados a tarde para uma cadeia da região de Ribeirão Preto, cuja localidade não foi divulgada para garantir a segurança de presos e policiais.

Nesta segunda-feira (6) sob nova escolta reforçada o bando segue para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Ribeirão Preto.