Terceira edição da Medalha Professor Lourenço Filho tem inscrições abertas e novidades

O município de Porto Ferreira, por meio da Secretaria de Educação, realizará a terceira edição do prêmio Medalha Lourenço Filho (2020), que “objetiva reconhecer o mérito dos profissionais pela contribuição dada à melhoria da qualidade da Educação Básica por meio do desenvolvimento de experiências pedagógicas bem-sucedidas”. Este ano a honraria traz uma novidade: além de premiar os educadores, também poderão concorrer à medalha os gestores das unidades educacionais municipais (coordenadores pedagógicos e diretores).

O prêmio consiste na seleção e premiação de práticas pedagógicas desenvolvidas por educadores e gestores educacionais municipais, em uma ou mais das etapas da educação básica que, comprovadamente, tenham tido êxito, considerando as diretrizes, metas e estratégias propostas no Plano Nacional de Educação, instituído pela lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, e no Plano Municipal de Educação (lei municipal nº 3.186/2015) e ainda os critérios estabelecidos no regulamento da Medalha.

A inscrição do candidato ocorrerá, exclusivamente, na Secretaria de Educação, mediante protocolo, com a apresentação de alguns itens obrigatórios (formulário de inscrição, relato da prática, documentos que comprovem o trabalho etc.). O prazo para inscrição será até 30 de outubro. O regulamento também prevê a formatação do trabalho, entre outras regras, como os critérios de avaliação. Os trabalhos serão avaliados pelos integrantes do Conselho Municipal de Educação, em votação secreta e a divulgação dos vencedores ocorrerá no dia 12 de novembro.

O prêmio objetivou reconhecer o trabalho dos Educadores e Gestores da Rede Municipal, que, no exercício das suas atividades, contribuem de forma relevante para a qualidade da Educação Básica do Município; valorizar o papel dos educadores e gestores como agentes fundamentais no processo formativo das novas gerações; dar visibilidade às experiências pedagógicas conduzidas pelos educadores e gestores, consideradas exitosas e que sejam passíveis de adoção por outros professores da Rede Municipal de Ensino; estimular a participação dos educadores e gestores como sujeitos ativos na implementação do Plano Nacional e Municipal de Educação; oferecer reflexão sobre a prática pedagógica e orientar a sistematização de experiências educacionais.

O prêmio tem doze categorias, abrangendo creche, pré-escola, ensino fundamental, ensino médio, educação de jovens e adultos e educação especial.

Lourenço Filho

Nascido em 10 de março de 1897 na cidade de Porto Ferreira (SP), Manoel Bérgstrom Lourenço Filho optou pela carreira do magistério, abandonando o segundo ano de Medicina. Na sua trajetória enquanto docente desfrutou da prática administrativa e organizacional, dirigindo a reforma da instrução pública no Ceará (1922-1923) e em São Paulo (1931-1932). Na década de 1930 transferiu-se para o Rio de Janeiro, exercendo funções de chefe de gabinete do ministro da Educação, Francisco Campos. Durante a gestão de Anísio Teixeira na Secretaria de Educação do Distrito Federal, dirigiu o Instituto de Educação do Rio de Janeiro.

Foi diretor da Escola de Professores no Distrito Federal e do Inep, que então denominava-se Instituto Nacional de Pedagogia. Desenvolveu diversas obras de orientação, como cartilhas para apropriação das escolas no ensino da escrita e na didática de sala de aula. Foi um dos precursores no estudo e publicações no âmbito da Escola Nova, com o livro “Introdução ao estudo da Escola Nova”, no fim da década de 1930. Como docente, lecionou disciplinas ligadas à Psicologia e à Pedagogia.

O estudioso desenvolveu seus escritos na vivência da administração e organização do ensino em diversas localidades brasileiras, portanto, se tornou um grande conhecedor da principal ferramenta educacional, a escola. Ele a definia como sendo uma sede com clientela específica de alunos, elementos docentes próprios e, enfim, atividades prefixadas, segundo o ensino que ministre, seus horários e programas. Fosse a escola pública ou particular, essa estrutura seria a mesma, pois deveria estar adaptada às peculiaridades do trato educacional.